segunda-feira

Gala Mulher Passa Palavra

Sexta dia 3 de Abril às 00:55 horas na sic

quinta-feira

Final das gravações de olhos nos olhos



Igualmente com o que aconteceu em "Feitiço de Amor", com o fim das gravações de “Olhos nos Olhos”, telenovela de Rui Vilhena e protagonizada por Paulo Pires - que deu a vida a dois irmãos gémeos que entretanto um deles é assassinado pelo próprio irmão –, os actores festejaram o abandono das suas personagens, tal como acontece com a maioria das telenovelas, com um jantar onde reúne a maioria dos actores.

O jantar realizou-se em Lisboa, Tejo, no Restaurante Meninos do Rio, e estiveram entre os presentes Eunice Muñoz, que foi a primeira a chegar ao local, e que afirmou: “Dá-me um enorme prazer trabalhar com os jovens que querem seguir esta carreira e que são a nossa esperança. Eu acredito muito nos talentos do nosso país”.

Quem também não deixou de tecer alguns comentários à imprensa, foi a Lorena, interpretada por Sofia Ribeiro, que declarou que este foi um enorme desafio “porque a história envolvia crime e um papel assim nunca é fácil”, mas acrescenta que á verdade “é que me deu um enorme gozo. Visto que é algo diferente de tudo o que tinha feito até agora”, explica a jovem actriz.

Paula Neves, que deu vida à personagem Beatriz que investiga os mistérios da casa dos Viana Levi, revelou que “Este foi um projecto que correu muito bem e que vai deixar muitas saudades, mas neste momento só consigo mesmo pensar em férias”, e justifica tal pensamento porque “Foram muitos meses de trabalho intenso e o corpo sente-se disso”.

O protagonista da história, Paulo Pires, não teceu longos comentários, mas fez questão de declarar que “Foi muito trabalhoso fazer um duplo papel” e que “este foi um grande desafio”. O actor também salientou que vai encontrar-se nos palcos de teatro ainda antes do Verão.

Conforme a TV Guia Novelas, na festa estiveram presentes Eunice Muñoz (Rosário), Sofia Ribeiro (Lorena), Paula Neves (Beatriz), Paulo Pires (Vasco/Victor), João Cajuda (Tobias), Patrícia Tavares (Vera), Rita Salema (Manuela), Maria Henrique (Directora de Actores), António Montez (Teófilo) e Marco Delgado (Simão),Lúcia Moniz (Cristina) entre outros.


Fonte:tvguia novelas

segunda-feira

Leve Beijo triste-Rfm




Link para ouvir:
Leve Beijo Triste
Duetos e Coloborações
Como as músicas tocam as músicas

Fonte:Rfm

quinta-feira

Gala dos 30 anos celebra futuro

O Correio da Manhã nasceu há precisamente 30 anos. O aniversário é comemorado hoje à noite no Pavilhão de Portugal, Parque das Nações, em Lisboa, com a entrega de prémios a várias personalidades (ver coluna ao lado). Com apresentação de Marta Leite Castro e a presença da fadista Joana Amendoeira, esta gala terá emissão em directo no site do jornal, em www.correiomanha.pt. A reportagem detalhada da Gala será também tratada nas próximas edições do CM.

'Vai ser um momento fantástico. Os leitores do Correio da Manhã vão poder ver quem faz o seu jornal todos os dias', refere José Cunha, director da Go-To, empresa responsável pela emissão da gala comemorativa das três décadas do jornal. 'Além disso, normalmente, as pessoas só vêem as fotos da festa no dia seguinte. Agora têm acesso em directo', acrescenta.

Para assegurar a emissão deste momento histórico do Correio da Manhã estão destacadas 'pelo menos 15 pessoas e seis câmaras, duas móveis e quatro fixas'. Segundo José Cunha, 'a internet ainda não emite em alta-definição, porém a captação das imagens já será nesse formato'. O responsável da Go-To está certo de que 'esta será a primeira de muitas outras emissões em directo no site do jornal'.

Hoje, a partir das 22h30, participe na festa de aniversário dos 30 anos do seu jornal em www.correiomanha.pt. Marta Leite Castro apresenta os 30 galardoados de dez áreas distintas, do Ambiente à TV e Cinema, passando pela Solidariedade e Saúde. A emissão da gala dos 30 anos do CM termina com a fadista Joana Amendoeira em palco.

Ao longo de 30 anos, o CM tem vindo a afirmar-se como o jornal preferido dos portugueses. E em 2008 bateu o recorde, com uma média de 115 854 jornais vendidos em banca diariamente.

PERSONALIDADES DOS 30 ANOS 30 NOMES QUE NOMEARAM AS FIGURAS DO FUTURO

Ambiente – Elisa Ferreira, Gonçalo Ribeiro Telles, Viriato Soromenho Marques.

Artes Performativas – Eunice Muñoz, Filipe la Féria, Rui Veloso.

Ciência – Alexandre Quintanilha, Carlos Fiolhais, Teresa Lago.

Desporto – Carlos Lisboa, Fernanda Ribeiro, José Augusto.

Empresas e Inovação – Carlos Zorrinho, Daniel Bessa, Vera Nobre da Costa.

Letras e Artes Plásticas – Vasco Graça Moura, Maria Filomena Mónica, José de Guimarães.

Política – Ramalho Eanes, Jorge Sampaio, Marcelo Rebelo de Sousa.

Saúde – João Lobo Antunes, Manuel Antunes, Sobrinho Simões.

Solidariedade – Maria Cavaco Silva, Isabel Jonet, Padre Jardim Gonçalves.

TV e Cinema – José Eduardo Moniz, Emídio Rangel, Leonor Silveira.

OS ESCOLHIDOS

Ambiente – Hélder Spínola (pela Quercus, de que é presidente); Nuno Ferrand (como coordenador do Centro de Investigação em Biodiversidade e Recursos Genéticos da Universidade do Porto); Raimundo Quintal (presidente da ONG Associação dos Amigos do Parque Ecológico do Funchal).

Artes Performativas – Lúcia Moniz (actriz e cantora); Manuel Cruz (músico e cantor, ex-Ornatos Violeta, com projecto a solo); Maria João Pires (pianista).

Ciência – Cláudio Sunkel (Instituto de Biologia Molecular e Celular e Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar, da Universidade do Porto); José Henrique Veiga Fernandes (Instituto de Medicina Molecular, Universidade de Lisboa); Nuno Ferrand (Centro de Investigação em Biodiversidade da Universidade do Porto).

Desporto – Naide Gomes e Nélson Évora (atletismo); Cristiano Ronaldo (futebol).

Empresas e Inovação – António Câmara (presidente da YDreams); Isabel Jonet (pela gestão no Banco de Bens Dados e no EntreAjuda); Luís Portela (presidente da Bial).

Letras e Artes Plásticas – António Sousa Homem (cronista); Cristina Valadas (artista plástica); Valter Hugo Mãe (escritor).

Política – António Barreto (como presidente da Fundação Francisco Manuel dos Santos); Berta Cabral (presidente da Câmara de Ponta Delgada); Rui Vilar (presidente da Fundação Gulbenkian e do Centro Português de Fundações).

Saúde – José Carlos Machado (pela Investigação de Translação em doenças de cancro, IPATIMUP): Maria Mota (Instituto de Medicina Molecular da Universidade de Lisboa); Miguel Castelo-Branco (director do Instituto Biomédico de Investigação da Luz e da Imagem da Universidade de Coimbra).

Solidariedade – Isabel Jonet (pelo Banco Alimentar, Bens Dados e EntreAjuda); Sandra Anastácio (pela Ajuda de Berço); Teresa d’Almeida (pela Associação Sol).

TV e Cinema – José Alberto Carvalho (director de Informação da RTP); José Carlos Malato (apresentador de Televisão); Manoel de Oliveira (pela sua obra de mestre).

Fonte:correio da manhã

Dia do pai


Fonte:tv 7 dias

e...
Jornal de notícias :
Mensagem da Lúcia para seu pai Carlos Alberto Moniz.

terça-feira

Lúcia Moniz, Paula Oliveira e Jacinta participam no Dixieland

Cantanhede volta a ser a capital do jazz popular de 11 a 14 de junho, com a realização do VI Festival Internacional Dixieland. Com características inéditas, o evento conta com a participação de dez bandas e três vozes femininas com ligações à música jazz.

Dez bandas, cinco nacionais e cinco internacionais, compõem o cartaz da sexta edição do Festival Internacional Dixieland. Três grandes nomes do panorama artístico com fortes ligações à música jazz também marcarão presença no evento. De 11 a 14 de junho, o concelho de Cantanhede será a capital mundial do jazz popular.

“Los Krokodillos” (Espanha), “Alice in Dixieland” (Holanda), “New Orleans Dixielandband” (Áustria), “Brass Band Rakovnik” (República Checa) e “Les Zauto Stompers”(Espanha), são as cinco bandas internacionais. “Dixie Boys”, “Dixie Gringos”, “Astedixie”, “Cottas Club Jazz Band” e “Dixinaza Jazz Band”, são as bandas portuguesas no cartaz deste ano.

Três nomes fortes do panorama artístico com ligações ao jazz são outra aposta da organização. Para atuar, à noite, na tenda de grandes proporções a ser montada no Parque Expo-Desportivo de S. Mateus, o festival contará com a participação especial de Lúcia Moniz (dia 11), Paula Oliveira (dia 12) e Jacinta (dia 13), acompanhadas pelos “Dixie Boys”, “Cottas Club Jazz Band” e “Alice in Dixieland”, respetivamente.

A Tenda Dixie acolherá 10 concertos no total, sendo o valor do bilhete geral de 15 euros, enquanto o bilhete do dia custa 7,5 euros. Mas os espectáculos não ficam por aqui. Numa tentativa de descentralizar o Festival Dixieland, este percorrerá as 19 freguesias do concelho. Serão realizados 40 concertos de rua gratuitos em várias localidades. Fica assim cumprido o objetivo da organização de “descentralizar” tendo em vista a “formação de públicos, produzindo assim um efeito mobilizador junto da população daquelas freguesias para os concertos a realizar à noite”. As ruas serão animadas permanentemente durante os quatro dias do festival.

Fonte:Independente de Cantanhede

segunda-feira

West Side Story: uma história com bastidores!






Lá "fora" conta-se uma versão de um clássico de Shakespeare adaptada a uma realidade norte-americana, com gangues rivais em plena Nova Iorque dos anos 60. São 21.30 quando o espectáculo encenado por Filipe La Féria mostra a "luta" em versão nacional.







Os espectadores concentram-se nos pormenores, os actores dão o máximo em palco, mas o seu trabalho começou bem mais cedo. Eram 19.00 quando a maioria dos actores começou a chegar ao Politeama. Calmamente, como que pertencendo a uma máquina bem afinada, tomam as suas tarefas e preparam o espectáculo do dia.


Poucos minutos depois, rumam ao Olympia, para o aquecimento. Os exercícios físicos não são brincadeira e no meio de muito movimento e música, facilmente surge a dúvida: actores, cantores ou atletas?

Cerca de uma hora depois, dá-se o segundo aquecimento, o vocal. Já em frente ao palco do Politeama, os actores juntam-se e sob as ordens de Tiago Isidro aquecem as vozes: passam dos tons mais altos, aos mais baixos e rapidamente há algumas vozes que se destacam.


Um a um, actores e actrizes recebem os seus microfones, previamente testados, e dirigem-se ao palco, onde cantam sozinhos. Um a um, é-lhes perguntado como se sentem para cantar, se estão doentes ou se já recuperaram. Com níveis ajustados e personalizados, há mais uns passos pela frente: maquilhagem e cabeleireiro, alguns casos mais complicados que outros, mas todos o fazem com um sorriso.



Segue-se a pausa para o jantar até pouco antes das 21.00, quando todo o elenco se junta para um momento de concentração e de união... Falta pouco para entrar em palco!


A sala do Politeama está cheia quando a música abre a versão de Filipe La Féria do West Side Story. No palco conta-se uma versão "norte-americana" de Romeu e Julieta. Nos bastidores, são poucos os momentos tranquilos.


Coordenados com a equipa técnica, dezenas de actores sobem e descem as escadas, prontos para entrar na sua cena. Enquanto esperam, voltam aos exercícios de aquecimento, aos alongamentos, voltam a treinar os passos de dança, numa enorme mistura de som, movimento, de cor, de luzes e de adereços, que vão desde uma simples pistola (falsa) a um bar numa caravana. A dúvida, essa, mantém-se: actores, cantores ou atletas?


Coordenação, amizade e profissionalismo

Apesar da concentração no seu trabalho, o ambiente é descontraído. Os actores metem-se uns com os outros, brincam, conversam e durante a peça não há vedetismos. A tudo isto, assiste o veterano Alberto Villar, com a calma de quem conhece o meio e os bastidores de um teatro...


Todos estão atentos aos seus momentos. Muitas vezes saem de palco, mas a cena não acaba ali e dirigem-se para as cabines de som, onde continuam a cantar e a apoiar a cena que se vê lá à frente. Lá fora ouve-se um "Bravo!" do encenador Filipe La Féria...


É um musical completamente ao vivo em que quase nenhum som está gravado, excepção feita às Harley-Davidson que subirão ao palco.


Quem não conheça a peça, pouco percebe da história. Mas nos bastidores há uma realidade diferente e toda a coordenação torna-se fascinante. A tudo isto, os cerca de 15 técnicos assistem tranquilamente. No intervalo avisam os actores que têm mais dois minutos para voltar aos seus postos: "não é preciso andar em cima deles. É uma equipa muito disciplinada", confirmam.

Mais cenas, mais ritmo

A segunda parte de West Side Story aumenta um pouco o ritmo nos bastidores, enquanto o drama cresce no palco. Mais luzes, mais movimento, mais música. Um tiro (quase) real nos bastidores confirma a morte de uma personagem no palco.

O drama adensa-se e West Side Story aproxima-se do fim, que chega com uma ovação de pé. O público foi conquistado pela versão portuguesa de West Side Story, uma das melhores adaptações da história original, segundo referiu um dos responsáveis pelos direitos da peça.


No entanto, o movimento ainda não acabou. Nos agradecimentos, os actores soltam-se ainda mais e aproveitam para relaxar e para se divertirem juntos em palco. Quando o abandonam definitivamente, em poucos minutos deixam o Politeama. Fica a equipa técnica que volta a colocar os adereços nos locais certos, para que o próximo West Side Story comece novamente como uma máquina bem oleada...


Fonte:Expresso

As meninas do Papá

Todos a conhecem como actriz mas, no final do ano passado, Maria de Medeiros começou também a cantar, aos 43 anos. E só não começou mais cedo por respeito ao pai. "Cheguei tarde à música por timidez em relação ao meu pai. Ele é um músico tão importante que eu não me atrevia a fazer nada que fosse musical", disse numa entrevista a actriz que afirma ter no maestro António Victorino d’Almeida uma das pessoas que mais admira. Em vésperas do Dia do Pai (19 de Março), a Vidas relembra-lhes alguns casos familiares de sucesso: tal pai, tal filha.

Lúcia Moniz dificilmente seguiria por outro caminho que não o do espectáculo, ou não tivesse ela começado pequenina a acompanhar os pais em concertos. 'Ainda há uns anos o meu pai ofereceu-me como prenda de Natal um CD. Eu com três anos, ele e a minha mãe a cantarmos juntos. Foi a melhor prenda que recebi até hoje', conta Lúcia, que confessa não dar um passo na vida sem pedir a opinião de Carlos Alberto Moniz.

Serenella Andrade, por seu lado, recorda-se de quando o pai, Luís Andrade, levava para casa cassetes com as músicas do Festival da Canção e ela as decorava antes do evento. Quis o destino que acabasse também na televisão. 'Hoje o meu pai é das pessoas que mais prezo na vida. Por dia falamos duas ou três vezes ao telefone', conta.

Tal como o pai, também Catarina Furtado acabou por fazer da televisão a sua vida. E a sua vida até já deu um documentário no Biography Chanel. A apresentadora não se esqueceu do pai no lançamento da respectiva biografia: 'Agradeço ao meu pai pela exigência e sentido da responsabilidade que me incutiu.'

Fonte:correio da manhã

A inveja



Fonte:mariana

quarta-feira

Correio da Manhã-30 anos

O Correio da Manhã está quase a completar os primeiros 30 anos mas olha já para o futuro. Pedimos a 30 altas figuras da vida nacional para, nas áreas em que se destacaram, elegerem três nomes que considerem apostas seguras como FIGURAS DO FUTURO.

Agora é a vez de os utilizadores deste site elegerem o seu preferido por cada área de actividade. Para isso só é preciso registar-se e escolher um nome em cada uma das dez categorias até às 15h00 de 7 de Março.

As três figuras mais votadas em cada área receberão os seus troféus a 19 de Março-22:00, numa cerimónia com que o Correio da Manhã festeja mais um marco histórico e que assinalará a primeira emissão audiovisual em directo neste site.


OS ESCOLHIDOS


AMBIENTE

Hélder Spínola (pela Quercus, de que é presidente); Nuno Ferrand (como coordenador do Centro de Investigação em Biodiversidade e Recursos Genéticos da Universidade do Porto); Raimundo Quintal (presidente da ONG Associação dos Amigos do Parque Ecológico do Funchal).

ARTES PERFORMATIVAS


Lúcia Moniz (actriz de teatro e cantora); Manel Cruz (músico e cantor, ex-Ornatos Violeta, com projecto a solo); Maria João Pires (pianista).

CIÊNCIA

Cláudio Sunkel (Instituto de Biologia Molecular e Celular e Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar, da Universidade do Porto); José Henrique Veiga Fernandes (Instituto de Medicina Molecular, Universidade de Lisboa); Nuno Ferrand (Centro de Investigação em Biodiversidade da Universidade do Porto).

DESPORTO

Naide Gomes e Nélson Évora (atletismo); Cristiano Ronaldo (futebol).

EMPRESAS E INOVAÇÃO

António Câmara (presidente da YDreams); Isabel Jonet (pela gestão no Banco de Bens Dados e no EntreAjuda); Luís Portela (presidente da Bial).

LETRAS E ARTES PLÁSTICAS

António Sousa Homem (cronista); Cristina Valada (artista plástica); Valter Hugo Mãe (escritor).Política – António Barreto (como presidente da Fundação Francisco Manuel dos Santos); Berta Cabral (presidente da Câmara de Ponta Delgada); Rui Vilar (presidente da Fundação Gulbenkian e do Centro Português de Fundações).

SAÚDE

José Carlos Machado (pela Investigação de Translação em doenças de cancro, IPATIMUP): Maria Mota (Instituto de Medicina Molecular da Universidade de Lisboa); Miguel Castelo-Branco (director do Instituto Biomédico. da Investigação da Luz e da Imagem da Universidade de Coimbra).

SOLIDARIEDADE

Isabel Jonet (pelo Banco Alimentar, Bens dados e EntreAjuda); Sandra Anastácio (pela Ajuda de Berço); Teresa d’Almeida (pela Associação Sol).

TV E CINEMA

José Alberto Carvalho (director de Informação da RTP); José Carlos Malato (apresentador de televisão); Manoel de Oliveira (pela sua obra de mestre)

Fonte:Correio da Manhã

terça-feira

Comemoram-se hoje as 100 representações de West Side Story.

“West Side Story – Amor sem Barreiras” é a maior aposta de La Féria numa mega produção que conta com um grande elenco de cantores, actores, músicos e bailarinos.

Anabela, Carlos Quintas, Lúcia Moniz, Pedro Bargado, Tiago Diogo, Alberto Villar, David Ventura são os principais intérpretes de um elenco de 68 elementos que tem a participação de bailarinos vindos expressamente de Moscovo e Londres. A coreografia é a original da Broadway, do genial coreógrafo Jerome Robbins, recreada por Inna Lisniak. Com direcção musical de Telmo Lopes e direcção vocal de Tiago Isidro.

Os papéis protagonistas de “West Side Story – Amor sem Barreiras” são interpretados, alternadamente, por Bárbara Barradas, cantora e actriz que tem feito uma carreira notável em Londres, Ricardo Soler, a grande revelação da “Operação Triunfo” e Cátia Tavares e Rui Andrade, cantores – actores que La Féria descobriu no Porto e que entraram em “Um Violino no Telhado”, em cena com grande êxito no Teatro Rivoli.

“West Side Story – Amor sem Barreiras” teve o seu início em 28 de Novembro, numa estreia de gala que abriu a nova temporada do Teatro Politeama.

Fonte:24 horas

segunda-feira

Novidades


Lúcia Moniz vai em digressão
A actriz, cantora e compositora, Lúcia Moniz, de 32 anos, está a preparar uma digressão pelo país, para o próximo Verão, em que fará um apanhado dos seus discos antigos e apresentará temas novos. A Cristina de Olhos nos Olhos, da TVI, não sobe a um palco há mais de 3 anos. "Tenho muitas saudades", disse à Sábado. Até lá a filha do músico Carlos Alberto Moniz continua a interpretar a porto-riquena Anita, no musical WEst Side Story, de Felipe La Féria.

Fonte: revista sábado

Foto

29 Golpes-parte 6

Second Life-entrevista audio

LINK

..e mais um video

29 Golpes-parte 5

29 Golpes-parte 4