sábado

sábado

sexta-feira

Êxtase nos Bastidores do Reencontro de Laura e Santiago

Lúcia em Hollywood-Nov. 2003

Lúcia em Hollywood

Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket

Em Novembro, Lúcia Moniz estreia-se no cinema ao lado de Hugh Grant, Emma Thompson, Colin Firth, Liam Neeson, Rowan Atkinson...
Lúcia Moniz tem 27 anos. Ao olhá-la, na simplicidade do seu rosto nu de maquilhagem, na despretensão do seu corpo vestido de conforto, dá-se-lhe menos idade. Ao ouvir as vontades de mulher teimosa e determinada, dá-se-lhe mais. Nessa inconstância temporal que lhe compõe a personalidade co-habitam uma actriz e uma cantora «rock», sem ordem de preferência ou domínio. Até agora. Com a sua participação no filme Love Actually, cujo elenco integra Hugh Grant, Emma Thompson, Rowan «Mr. Bean» Atkinson, Liam Neeson, Colin Firth, Alan Rickman e Billy Bob Thornton, a representação arrisca-se a ganhar no futuro.
Lúcia prende os olhos negros ao Tejo espelhado à beira da Expo. Descontrai-se na cadeira. Acende um cigarro. Prepara-se para recordar aquilo que é apenas novidade para o público. Para ela, o «sonho de Hollywood» já tem um ano. Certinho. As filmagens decorreram em Setembro de 2002, em França. A ansiedade começou um mês antes, no «casting», em Lisboa.
No princípio, era só mais um, para cinema, semelhante aos muitos a que se tinha já submetido e nos quais não tinha vingado. Sabia que era para um filme inglês, recheado de actores consagrados, mas não esperava mais - em caso de «vitória» - do que uma participação muda, talvez a oferecer um café às estrelas principais. Quando leu as primeiras cenas começou o nervoso miudinho. A dor no estômago. O pânico interior. O realizador Richard Curtis, argumentista de O Diário de Bridget Jones e Quatro Casamentos e Um Funeral, não queria figurantes. Queria uma protagonista. «Eu estava uma pilha de nervos. Mas passei à fase seguinte. Quando soube que tinha ficado com o papel, tive uns cinco segundos de histeria, de muitos pulos e gritos. É a minha estreia no cinema, e logo assim».
O filme é uma comédia romântica, cujo enredo se desenvolve à volta de dez histórias, simultaneamente independentes e interligadas. Lúcia é uma emigrante portuguesa em França, que trabalha como criada na casa de férias de um escritor inglês, papel interpretado por Colin Firth - o eterno Mr. Darcy de Orgulho e Preconceito e de O Diário de Bridget Jones. Durante a estada, destinada a curar um desgosto de amor e a terminar o último livro, Jamie (assim se chama o artista) aproxima-se da serviçal, apesar da imensa dificuldade de comunicação. «Eu falo português o filme todo. Ele fala inglês e às vezes um esforçado espanhol italianado misturado com francês. Há conversas completamente loucas».
Lúcia Moniz conheceu o restante elenco em Londres, aquando do «read through» (leitura total) do guião, poucos dias antes do início das filmagens em Marselha. «‘Olá, bom dia, eu sou a Lúcia. Eu sei quem você é’, dizia-lhes eu. Tive o privilégio de apertar a mão a Mr. Bean, de cumprimentar o Alan Rikman. Ao Liam Neeson... não sei se pela voz, que impõe respeito, se pelo porte enorme... nem bom dia consegui dizer». Mas quando viu Emma Thompson encheu-se de coragem e caminhou até ela. A admiração da mãe, Maria do Amparo, pela actriz inglesa a isso obrigou. «E, então, descobri um senhora da cabeça aos pés, fantástica, que adora o Algarve. O Alan Rikman até nos tirou uma fotografia».
LUZ, CÂMARA, ACÇÃO


LUIZ CARVALHO
A personagem de Lúcia obrigou a uma mudança de visual. O cabelo recuou até ao nível do queixo e tingiu-se de castanho-escuro. O rosto manteve-se quase sem maquilhagem. As roupas tornaram-se ainda mais simples do que na vida real. E, quando a «claquette» anunciou o início das gravações, a actriz estava novamente em pânico. «Na primeira cena só tinha que dizer ‘Bom dia’, mas mesmo isso... Estava a ser dirigida em inglês, tinha de falar português. Tudo foi superado com o apoio da equipa. Mimaram-me muito. Durante as cenas em que só filmavam o meu lado, o Colin Firth dava tudo dele para eu reagir, dava-me as intenções certas. Ele nem era obrigado a estar ali».
Foi graças à camaradagem que Lúcia conseguiu divertir-se até quando teve de entrar sucessivamente - tantas vezes quantos os «takes» - num lago com mais lama que água. «As folhas do livro voam para a água e eu, qual Camões, entro num lago muito feio para salvar o trabalho. A água ia pelos joelhos, mas tinha de fingir que chegava ao pescoço. Tive de me enterrar na lama, sentia coisas a mexer».
Durante os 15 dias das gravações, Lúcia viveu num mundo à parte. Quando lhe apontaram a sua roulote, um veículo enorme - com cama «king size», cozinha, sala de estar -, ela pensou que a dela, necessariamente mais modesta, estaria escondida atrás. No dia em que sentiu uma leve dor de cabeça e pediu que lhe levassem ao quarto uma aspirina, foi surpreendida por uma enfermeira com um balde de comprimidos e aparelhómetros de «check up». Quando filmaram em Londres e Lúcia e Laura Linney (nomeada para o Óscar de Melhor Actriz no filme Podes Contar Comigo) decidiam ir a pé para o estúdio ou para a casa de chá próxima, um carro com «chauffeur» acompanhava-as.

Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket


SAUDADES DE CASA

Todos os dias enviava à família «e-mails» onde descrevia pormenorizadamente os medos, as aventuras, as emoções: as noites passadas ao piano com a equipa para matar saudades do duo com a irmã Sara Moniz; o aniversário com a «nova família» que coincidiu com o de Hugh Grant, o do produtor Duncan Kenworthy e o de Collin Firth (no dia seguinte); o imenso tempo para preparar as cenas, ao contrário do das novelas A Grande Aposta, Terra Mãe, Ajuste de Contas e Saber Amar, em que participou; as filmagens dos outros a que assistia religiosamente. «Ela andou sempre de antenas no ar, a absorver tudo. Chegou a substituir os ‘substitutos de actores’ que ajudam os técnicos nas afinações», recorda a mãe.
Um ano depois das gravações restam os ensinamentos, as memórias, os amigos. Já conheceu as famílias de Colin Firth, Laura Linney, Duncan Kenworthy e continua em contacto com muitos outros pelo «e-mail» que a mantém ligada ao mundo. A representação está agora na sua fase adormecida, para dar lugar à música que nunca morreu. Quinze dias entre estrelas de Hollywood não apagam a vocação que se revelou ainda na barriga da mãe, quando, durante um espectáculo musical, deu um pontapé tão grande que obrigou Maria do Amparo a arremessar a guitarra. Ainda no berço, já ia para o palco com a mãe e o pai, Carlos Alberto Moniz, com maracas para se entreter. Garantem os progenitores que começou a cantar com 11 meses - a canção da novela Gabriela - e a compor aos 4 anos. Estudou composição nos EUA, ganhou o Festival da Canção em 1996, editou o primeiro álbum Magnólia (disco de ouro) em 1999 e o segundo intitulado 67 dois anos depois, ambos com a participação de Nuno Bettencourt. Agora voltou a fechar-se em casa para compor e criar o terceiro álbum.
Em Novembro, quando Love Actually estrear, sabe que a sua vida pode mudar radicalmente. Ou não. Lúcia diz-se preparada para os dois embates. Sempre com os pés bem assentes na terra. Só receia ver-se no cinema, «Ainda não vi o filme. Acho que vou morrer de vergonha. Resta-me esconder-me atrás das pipocas».

Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket



Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket



Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket


Fonte:revista expresso novembro 2003