sábado

Feliz Ano Novo

 A equipa do blog deseja a todos a boa entrada no ano novo deixamos aqui ficar a mensagem da Lúcia retirada do seu Twitter/Facebook Oficial. Um 2012 cheio de cor para todos!
“O que já me inspirou neste ano pode ser que de alguma forma tb vos inspire no novo ano que aí vem... Votos de um Feliz Ano Novo. xL ”
http://instagr.am/p/dOB62/

quinta-feira

Segunda temporada de “Maternidade” estreia em Fevereiro


As gravações terminaram há duas semanas e parece que a RTP 1 já tem data para estrear a segunda temporada de Maternidade. Segundo a agência Glam, as aventuras da conhecida série da televisão do estado estão de volta já em meados de fevereiro, embora ainda não esteja definida qual a data em concreto.
Nesta nova temporada, a médica Madalena (Lúcia Moniz) aceitou o convite e mudou-se para uma nova unidade de obstéricia. Lá vai encontrar novos colegas, como a enfermeira vivida por Margarida Carpinteiro ou o pediatra de Pedro Diogo, entre muitos outros reforços, casos de Ricardo Carriço, João Reis, Luís Lucas, Cleia Almeida, Rita Blanco, Miguel Damião, entre outros.
A produção, essa, continua a cargo da SP Televisão.

Fonte:Voxpoptv

sábado

Feliz Natal

A equipa do blog deseja a todos um feliz natal e como estamos no inverno ninguém vai levar a mal ouvir uma canção de verão;)
Boas festas!



sexta-feira

O Amor Acontece


O filme O Amor Acontece passa na tvi no próximo dia 25 de Dezembro pelas 00:45.
Para ver ou rever.

terça-feira

Gravações da 2ª temporada de Maternidade já terminaram

A série da RTP1 ambientada na Maternidade Porto Seguro terminou esta semana as gravações da sua 2ª temporada, ainda sem data prevista para estrear no pequeno ecrã. No elenco há novidades com a integração de Margarida Carpinteiro, Rita Blanco, João Reis, Miguel Damião e Ricardo Carriço. Lúcia Moniz mantém o seu papel de protagonista como uma obstetra desta unidade hospitalar. Miguel Costa, Cláudia Semedo e Isabel Figueira são outros nomes que transitam da primeira temporada. Em contraponto, Custódia Galego, Joaquim Horta e José Fidalgo saem do elenco, já que a primeira é uma cara exclusiva da SIC e os dois últimos estão concentrados na novela Rosa Fogo, igualmente da SIC. Na nova temporada de Maternidade podemos contar com uma carga emotiva mais forte e temas que variam entre o parto, cirurgias pediátricas ou tratamentos de fertilidade. A primeira série foi exibida entre 30 de Janeiro e 24 de Abril. A boa aceitação dos 13 episódios que foram exibidos levou a RTP1 a encomendar uma 2ª temporada. Fonte:Espalha-Factos

Festival Vodafone Mexefest (fotos)

Antena 3 fotos Vodafone Mexefest

Vodafone Mexefest dia 1

Pedro Figueiredo fotos

quinta-feira

Vodafone Mexefest

O festival Vodafone Mexefest realiza-se já nos dias 2 e 3 de Dezembro.
Uma das bandas convidadas são os Macacos do Chinês que contam com a participação especial da Lúcia Moniz no tema "Qual é o Mal" que faz parte do novo albúm da banda intitulado "Vida Louca".
O concerto realiza-se no dia 2 de Dezembro pelas 23h00 no Cabaret Maxime e que conta presença da Lúcia, informação avançada pelo facebook oficial dos Macacos do Chinês.
Toda a informação acerca deste festival no site:
Vodafone Mexefest




terça-feira

quarta-feira

Dia 26 de Novembro ao vivo na Fnac de Almada


Fio de Luz marca o regresso de Lúcia Moniz à música, após 7 anos de ausência.  Este novo trabalho, o quarto de originais da sua carreira que revela, nas músicas e nas letras, uma obra mais orgânica e uma musicalidade intensa que marca uma nova fase da vida da artista. Uma mão cheia de canções, “para (re)descobrirmos a razão de sorrir, como um fio de luz a bordar a vida”, anuncia a cantora. O disco conta com produção, arranjos e direcção musical de Fred (Orelha Negra, Buraka Som Sistema.

Pelas 23h00 Entrada Livre

H1t 2012 (Edição Exclusiva 2CD)


O tema "Play a Sound to Me" faz parte desta colectânea que reúne os temas que mais tocaram nas rádios este ano.
 Na compra de "H1t 2012 (Edição Exclusiva 2CD)" através da FNAC, acesso a download da compilação “New Year’s Party”.

Já à venda  também no Itunes.


H1t2012_Fnac_Online
 

sexta-feira

Lúcia Moniz “Maternidade 2 é ainda melhor”


 
 Com as gravações a decorrerem há mais de um mês, as primeiras imagens da segunda temporada da série de sucesso já foram divulgadas e as primeiras declarações dos atores conhecidas.

É em entrevista à revista /TV Mais/ que a protagonista se mostra bastante entusiasmada com o projeto: “Está a dar-me um enorme prazer e a correr muito bem”, começa por dizer, acrescentando: “Está a ser um trabalho feito com muita dedicação por parte de toda a gente. Os espetadores que gostaram da primeira temporada não vão ter mais do mesmo. Esta é ainda melhor!”

Quanto àquilo que os portugueses podem esperar da “sua” /Madalena/, a atriz afirma: “Talvez se perceba um pouco mais o lado emocional da Madalena e não só o profissional. A personalidade dela não se molda, mas há casos que tocam mais a emoção”.

A terminar, Lúcia Moniz garantiu que “não quer saber o dia em que acaba para não sofrer por antecipação”, concluiu.
 Fonte:ATelevisão

Realejo - Ó que quem baila la moura (Lúcia Moniz)

Elenco de “Maternidade” renovado para nova série

A nova temporada da série “Maternidade”, da RTP1, já está em gravações, contando com algumas novidades no seu elenco, entre os quais Margarida Carpinteiro, Rita Blanco, João Reis e Miguel Damião.
Protagonizada por Lúcia Moniz, que interpreta uma obstetra numa unidade hospitalar, esta nova temporada tem como ponto de partida o facto de esta personagem ter aceite o convite para dirigir a Maternidade Porto Seguro, uma instituição privada de prestígio que oferece serviços nas áreas de obstetrícia, neonatologia, pediatria e cirurgia pediátrica. Apesar das excelentes condições que lhe prometeram, a médica cedo se vê obrigada a cortar nas despesas e a optimizar os lucros.

Fonte:Voxpoptv


Foto

Photo by Vera Marmelo

quarta-feira

Macacos do Chinês - Vida Louca


O novo albúm dos Macacos do Chinês "Vida Louca" está quase a chegar (dia 28/10 em formato digital e no dia 7/11 nas lojas habituais).
Lúcia Moniz participa num dos temas, a canção chama-se "Qual é o Mal?".
Podem ouvir o excerto das canções nos seguintes links:

AMAZON.DE e QOBUZ



De 0 a 20 'Tempo Final' - Espalha Factos


Esta semana avaliamos a minissérie Tempo Final, da RTP1. De 0 a 20, iremos avaliar este projecto em que cada história é marcada pelas imprevisíveis reviravoltas e ritmo imposto  que dificilmente o deixará respirar nesta quase uma hora de crime e suspense.
Tempo Final é uma das mais recentes séries da televisão portuguesa. Esta é uma minissérie de 6 episódios, emitida na RTP1, adaptada do formato original argentino de grande sucesso Tiempo Final. Seis episódios fechados, assinados por três realizadores (Leonel Vieira, Pedro Varela e Yuri Alves) e que apenas têm em comum o facto de cada história ser contada em tempo real.
 Até agora foram para o ar 4 histórias. Duas de Pedro Varela e uma de cada um dos outros dois realizadores. Fernando Luís, Rita Lello, Luís Castro, Cucha Carvalheiro, Marta Melro, Ivo Canelas, Lúcia Moniz, João Tempera, São José Correia, Adriano Carvalho, Joaquim Horta, Carla Maciel, Vera Alves e Sérgio Grilo são os actores que protagonizaram as referidas tramas.
http://i770.photobucket.com/albums/xx348/espalhafactos/televisao/tempofinal-1.jpg?t=1319482375
O episódio de estreia mostrou-nos logo que esta série seria diferente. Foi o episódio mais misterioso e, em Venenosos, o espectador ficava preso ao ecrã, esperando pelo desenrolar da acção. Um casal e a amante do marido. Uma fuga do primeira com a amante para fora. O assassinato da mulher antes dessa fuga, através de chocolates envenenados. A história desenvolve-se de tal forma, que a mulher acaba por matar os dois amantes em fuga. Realização bastante boa, interpretações também fantásticas.
http://i770.photobucket.com/albums/xx348/espalhafactos/televisao/tf2-005.jpg?t=1319482369
Vida Dupla foi o episódio que se seguiu e tinha, à partida, a história mais surpreendente. A mulher descobre que o marido tinha um caso de oito anos com outro homem. E, agora, o amante entra em casa do casal com um machado. No final, valeram sobretudo as interpretações de Ivo Canelas, Lúcia Moniz e João Tempera, as mais consistentes até agora. Porque a história prometia mas não desenvolveu muito mais, tendo o episódio terminado sem grande lógica.
Mano a Mano foi o terceiro episódio, e foi o mais ‘negro’. Um dentista e uma paciente, sua amante, que entravam em estranhos jogos eróticos ao final do dia. A descoberta do caso pela mulher do médico e, de seguida, pelo marido da paciente. A tortura humana foi uma constante neste episódio. Intenso, muito intenso, e com um final deixado em aberto. O melhor em termos gerais.
http://i770.photobucket.com/albums/xx348/espalhafactos/televisao/6229900257_c628a0a212_z.jpg?t=1319482366
Hora Marcada foi a última história a ir para o ar, tendo sido também  a mais objectiva e, talvez, a mais cativante. Uma mulher que sofre de maus tratos e que vê na sua agente imobiliária a sua salvação. Contudo, toda a narrativa contagiou o espectador, mas por querer deixar tudo demasiado “resolvido”, o final não foi o melhor, e foi num caminho oposto a todos os outros episódios. E foi realmente o pior deste telefilme, que teve a história mais simples de todas, porém muito boa.
http://i770.photobucket.com/albums/xx348/espalhafactos/televisao/6185783762_3977bee148_z.jpg?t=1319482364
Como balanço final, podemos dizer que Tempo Final é uma das melhores séries produzidas em Portugal nos últimos anos. Estreada há cerca de um mês na RTP1, esta é uma das típicas produções portuguesas de grande qualidade e que passam perfeitamente despercebidas o grande público. O facto de ser emitida na RTP1 é logo motivo para tal.
Infelizmente, cada vez mais as pessoas não apreciam as séries de qualidade que a estação pública nos oferece. A (falta de) promoção, o horário e o facto de este tipo de séries ser tão pouco comum no nosso país são mais alguns factores que contribuem para que Tempo Final não tenha grande audiência e seja apenas mais uma série exibida na nossa televisão. E é pena que tal aconteça.
Nota final: 18/20

Fonte : Espalha Factos

O Meu Coração Não Tem Cor






O tema "O Meu Coração Não Tem Cor"  composto por Pedro Osório e com letra de José Fanha obteve a melhor classificação de sempre até aos dias de hoje com 92 pontos. Esta capa anterior à ida a Oslo não faria prever tão grande aceitação da canção por parte dos europeus chegando durante a votação estar em 2º lugar, os portugueses chegaram a acreditar que seria desta porém não foi e sinceramente não sei se algum dia será dada a votação estar mais centrada nos "vizinhos".

No passado dia 19 de Outubro no programa "Portugal no Coração" prestou-se homenagem justa e merecida a Pedro Osório autor da canção de 1996 que neste momento atravessa problemas de saúde. Estiveram vários convidados presentes nomeadamente Carlos Alberto Moniz, Samuel, Fernando Tordo, Tonicha, Rita Guerra, Lena D'Água e Carlos do Carmo (ao telefone), entre outros.
A cantar alguns dos temas de Pedro Osório estiveram em palco: Francisco Andrade, Raquel Ferreira e Pedro Mimoso e pudemos recordar Verão (Francisco Andrade), O meu coração não tem cor (Raquel Ferreira), Self Made Man (os 3 cantores) e Um abraço a Moçambique (os 3 cantores).

De referir que Pedro Osório lançará um novo albúm em breve cujo um dos temas foi partilhado pela própria Lúcia no seu Facebook e Twitter Oficial.
O Blog deseja as rápidas melhoras a este grande compositor na música nacional.


Fonte: Festivais da Canção e Crónicas do Eurofestival

terça-feira

Lúcia Moniz em entrevista: "Tinha saudades de cantar, de gravar, de fazer música nova e de a partilhar"

A representação, quer no teatro, quer no cinema, é uma via artística que Lúcia Moniz sempre abraçou ao longo dos anos. Em Março de 2011, também ganho o prémio Best Cookbook Design, atribuido pelo Gourmand World Cookbook (que distingue, anualmente, livros de culinária de todo o mundo), pela sua contribuição no livro "Taberna 2780". Contudo, foi através da música que pisou o primeiro palco. E foi, também, a música - e o seu mais recente trabalho de originais, "Fio de Luz" - o mote para uma conversa transparente com Lúcia Moniz
Palco Principal – Esteve vários anos afastada do universo discográfico. O que motivou o regresso a estas lides em 2011?
Lúcia Moniz – Para recomeçar a compor, houve, de facto, um rasgo de inspiração vindo de mim própria, mas igualmente uma influência por parte do público que, ao longo destes anos, me abordava na rua e me questionava se eu tinha desistido da música. No início, achava estranho, mas depois apercebi-me que já tinham passado seis anos desde a minha última aventura musical e que, realmente, tinha saudades de cantar, de gravar, de fazer música nova e de a partilhar. Quando estive no Canadá a filmar uma série, estive algum tempo sozinha e esse momento introspetivo também me motivou a avançar para este projeto.


P.P. – A Lúcia é uma artista multifacetada – o seu nome está também fortemente ligado à área da representação. As experiências enquanto actriz influenciam, de alguma forma, o processo criativo das suas músicas? Ou distancia as duas áreas profissionais?
L.M. – O único ponto em comum entre a Lúcia cantora e a Lúcia actriz é que se trata da mesma pessoa. De resto, distinguem-se bem as duas coisas. Quando estou a fazer teatro ou cinema, estou a interpretar outra personalidade e a viver uma história que não é a minha, sendo que tento dar o realismo pretendido, conforme o estilo e a época dos trabalhos. Na música e no palco, exponho a minha forma de ser e aquilo que eu sinto naquele momento. Contudo, dizer que na criação de “Fio de Luz” não houve uma certa influência do mundo da representação seria estar a contrariar totalmente um dos pontos mais fortes de partida do disco. A personagem que estava a desempenhar na série onde participei no Canadá era muito otimista, via sempre o lado positivo das coisas, e, por mais problemas que tivesse, nunca se dava por vencida. Essa personagem acabou por inspirar a mensagem que tento transmitir neste álbum. Fiquei de tal forma envolvida e soube-me tão bem desempenhá-la, que fiquei com imensa vontade de ter aquela personalidade dentro da minha própria personalidade.
P.P. – Não há, portanto, lugar para o pessimismo neste disco…
L.M. – Não, neste álbum decidi mesmo não falar de desilusões e amores falhados.


P.P. – Pode dizer-se que há uma ruptura entre este e os seus álbuns anteriores? O que os distingue, a seu ver?
L.M. – Para começar, o fio condutor que une as canções deste álbum não existe nos restantes, onde eram abordadas situações pontuais. Ao longo dos últimos seis anos, também estive a absorver músicas de outros cantores, o que me fez amadurecer e descobrir coisas novas. Depois, o facto de ter tido o Fred a produzir este álbum foi algo que me desafiou imenso. Ele fez com que eu fosse mais eu. Ajudou-me a expor, no bom sentido, a minha forma de ser e de dominar a música. Desafiou-me a tocar uma série de instrumentos, como a guitarra, o piano, entre outros, quando costumo ter sempre a opção de ter outros profissionais a faze-lo por mim.
P.P. – Referiu ter absorvido, ao longo dos últimos seis anos, influências artísticas de outros cantores…
L.M. – Sim, houve, pelo menos, três artistas que me inspiraram bastante: a Gemma Hayes; a Joan as a Police Woman, pela energia e autenticidade que ela transmite na interpretação das suas canções; e a Maia Hirasawa, que me inspirou bastante numa segunda fase de gravação do álbum.
P.P. – Compõem as letras, canta, toca os intrumentos... Também faz questão de acompanhar os restantes processos que envolvem o disco?
L.M. – Mesmo nos álbuns anteriores estive sempre presente no processo de composição das melodias. Estou sempre no estúdio, desde o primeiro até ao último dia, e até testemunho o processo de masterização do disco. Sou bastante observadora e aprendo bastante com isso.
P.P. – Mais de metade das músicas de “Fio de Luz” são cantadas em português. Por que motivo a escolha do single de avanço recaiu sobre o tema Play A Sound To Me, cantado em inglês?
L.M. – Tínhamos várias canções em cima da mesa quando fizemos uma sondagem para escolher o single. As opiniões divergiam. Uns escolhiam as músicas que mais lhes tocavam a nível emocional; outros as que mais os surpreendiam. Eu optei por escolher esta música porque foi a que mais surpreendeu as pessoas, pois a minha interpretação é feita ao piano e não à guitarra, como é costume. Como gosto de ser surpreendida pelos meus artistas favoritos, quis também fazer o mesmo.
P.P. – Como reagiu o público às diferenças que este disco transporta, durante os concertos de apresentação do álbum?
L.M. – Em termos de quantidade de público, senti alguma retração, talvez em parte pela conjuntura económica que atravessamos. Contudo, aqueles que se deslocaram e deslocam aos meus espetáculos absorvem tudo de uma maneira bastante saborosa, nomeadamente aqueles que assistiram aos primeiros concertos, antes do lançamento do disco. Considero-os um público altamente corajoso, na medida em que muitos não faziam ideia do que iriam escutar, mas ficavam até ao fim do espetáculo a absorver tudo o que lhes transmitia. Por vezes, havia um silêncio constrangedor, mas isso devia-se ao facto do público estar com uma atenção tremenda a ouvir as músicas pela primeira vez. Agora, que o público já conhece as músicas, acompanha-me a cantarolar os refrões, já há uma participação diferente, e isso é um ótimo sinal. A partir do momento em que posso contar com um público que conhece os temas, tento tirar o maior partido disso. Estou sempre recetiva a interagir com o público e também a absorver a sua energia.


Fonte:Palco Principal

Tempo Final (Lúcia Moniz e Ivo Canelas) - video

quinta-feira

Estrelas em noite de festa


O abraço e os sorrisos dos atores Joaquim Horta e Patrícia Bull simbolizam na perfeição o bom ambiente que marcou o jantar de lançamento da minissérie da RTP1 "Tempo Final", esta terça-feira, no restaurante Yakusa by Olivier, em Lisboa. Realizadores e membros do elenco brindaram ao sucesso de seis histórias de crime, amor, sexo, traição e vingança.

Fonte: Lux e  Sapo Fama

sábado

MATERNIDADE II:


Esta semana começaram as filmagens da nova temporada. 
Aqui fica a listagem dos actores que compõem esta série:
Lúcia Moniz, Martinho Silva, Patrícia Bull, Cláudia Semedo, Isabel Figueira e Miguel Costa (transitam da 1ªsérie).
Rita Blanco, Luís Lucas, Miguel Damião, Pedro Diogo, Margarida Carpinteiro, Cleia Almeida, João Reis, Sara Mestre, Ricardo Carriço e João Reis
Fonte:Sp Produções e IMDB

“Vida Dupla” dia 6 de Outubro na RTP1

 Fotos "Vida Dupla"

Minissérie de seis episódios é assinada por realizadores nacionais e foi filmada com técnicas do cinema.
Raul e Isabel são o casal perfeito, até que Rui, amante de Raul, revela a verdade através de uma vingança que se pode revelar mortal. A história conta-se na RTP 1, dia 6 de Outubro, em ‘Vida Dupla’, com Ivo Canelas, Lúcia Moniz e João Tempera, e integra ‘Tempo Final’, uma minissérie portuguesa de seis episódios no horário nobre.
Com assinatura de Leonel Vieira, Pedro Varela e Yuri Alves, ‘Tempo Final’ mostra histórias de violência, terror e humor negro em episódios de 40 minutos. Com um elenco de luxo, cada um é filmado em tempo real, com uma abordagem de cinema e uma única câmara. “Obriga-nos a trabalhar a um ritmo alucinante, pelo que a energia em estúdio é muito importante. Gostei do desafio e acho que o resultado vai surpreender o público”, disse em entrevista ao CM Yuri Alves, que realiza ‘Mano a Mano’ e ‘A Armadilha’. ‘Hora Marcada’, ‘Despedida’ e ‘Venenosos’ (já exibido) fecham o ciclo.

Fonte:Correio da Manhã

sexta-feira

Cd "Leva-me p'ra Casa" disponível na Fnac Online

Está disponível online na Fnac o álbum de 2005 "Leva-me p'ra Casa". Aqui fica o link:

Fnac "Leva-me p'ra Casa"


domingo

Tempo Final estreia dia 22 de Setembro

Após vários adiamentos no que toca à estreia da serie "Tempo Final" esta está finalmente marcada para o dia 22 de Setembro pelas 22:30. De relembrar que a Lúcia participa no episódio 4 "Vida Dupla" e conta no elenco com Ivo Canelas e João Tempera a não perder!

sexta-feira

Parabéns Lúcia












O Blog deseja à Lúcia os parabéns pelo seu 35º aniversário, e como prendinha deixo um perfil desenhado pela Lux resta saber se bate certo, a astrologia é mesmo assim ou se acredita ou se fica eternamente na dúvida; e um vídeo com algumas fotos de momentos marcantes de 2011 e uma música surpresa...xiuu...e mesmo surpresa...
Parabéns a você nesta data querida muitas felicidades muitos anos de vida...

domingo

Prémios Espalha-Factos

"O Espalha-Factos comemora neste dia 3 de Setembro o seu sexto aniversário, o segundo em terras virtuais, pelo que decidimos voltar a comemorar a data com uma nova edição dos Effys, os Prémios Espalha-Factos.
Os nomeados foram escolhidos de forma interna, pela nossa equipa de redactores, e o número de nomeados, variável de categoria para categoria, deveu-se a uma opção nossa de não considerar aqueles que tivessem menos de duas indicações. A votação decorrerá durante o próximo mês e dela resultarão os melhores da temporada 2010/2011 nas categorias de Cinema, Música, Rádio e Televisão."

O projecto Maternidade está nomeado para duas categorias; para a categoria de melhor série e na categoria de melhor actriz , votem no seguinte link:


 

Segunda temporada de “Maternidade” pode estrear ainda este ano


Tal como já se especulava há algum tempo, a estação pública decidiu mesmo avançar com uma nova temporada da série que conquistou os portugueses no início deste ano.
Assim, de acordo com a edição desta semana da revista Notícias TV, as gravações da segunda temporada de Maternidade arrancam já no início deste mês, sendo que a estreia nos ecrãs da RTP poderá acontecer ainda este ano, não se sabendo ainda quando.
Quanto ao elenco, deverá sofrer algumas alterações, até porque Custódia Gallego é agora atriz exclusiva da SIC e Joaquim Horta ou José Fidalgo (também ele exclusivo do canal de Carnaxide) estão concentrados em Rosa Fogo, a sucessora de Laços de Sangue.

Fonte: ATelevisão