Tózé Brito celebra 40 anos de carreira com duplo CD

«Vida, canções e amigos» é o título de um duplo CD que reúne um conjunto de canções, música ou letra, assinadas por Tózé Brito e interpretadas por diferentes nomes do panorama musical português, além do próprio.


Os dois CD, editados pela Farol, estão «arrumados» em sete capítulos e incluem nomes como Carlos do Carmo, Doce, Tony de Matos, Simone de Oliveira ou Ana Moura.

O primeiro CD divide-se em «êxitos populares», «festivais», «cinema e televisão» e «instrumentais».

«Recordar é viver», por Vítor Espadinha, «Vinte anos» pelos Green Windows, ou «Pensando em ti» pelos Gemini, dois agrupamentos de que Tózé Brito fez parte, são alguns dos êxitos populares.

No capítulo «festivais» estão incluídos, entre outros, «À tua espera», com que Simone de Oliveira representou Portugal no Festival da OTI, em 1980, «Doce», com que o homónimo grupo feminino concorreu ao Festival RTP, também em 1980, e «Penso em ti (eu sei)», que deu a vitória a Adelaide Ferreira no Festival RTP de 1985.

No capítulo de «Cinema e televisão» está, por exemplo, «Retalhos», cantado por Carlos do Carmo e que foi o genérico da série televisiva «Retalhos da vida de um médico», baseada no romance homónimo de Fernando Namora.

O primeiro CD inclui ainda três instrumentais da autoria de Tozé Brito: «Recepção», «Elevador III» e «Nascer do sol».

O segundo CD divide-se em três capítulos: «Histórias», «Outras histórias» e «Fados», este último com as vozes de Ana Moura, Rodrigo e Carlos do Carmo.

Nos dois capítulos relativos às histórias estão canções como «Até já», interpretada por Tozé Brito, «Depois de ti», por José Cid, «Eu tão só», por Tony de Matos, e «A vida segue lá fora», por Lúcia Moniz.

Esta edição discográfica celebra 40 anos da vida de Tózé Brito dedicados à música, desde a década de 1960, quando formou vários grupos de rock, como o Grupo 4 ou os Pop Five ou ainda o Quarteto 1111, passando pelas décadas de 1970 e 1980, quando o seu nome surgiu nos mais distintos planos musicais, desde a adaptação de músicas para séries de televisão a uma carreira a solo, e a década de 1990, durante a qual continuou a escrever e a compor, a par das responsabilidades como director da Universal Music Portugal.

Tózé Brito é o nome por que é conhecido António José Correira de Brito, nascido no Porto faz hoje 56 anos.

Começando nas cantigas em finais da década de 1960, em 1978, 30 anos depois da sua estreia como músico nos Pop Five, foi o responsável pelos Artistas e Repertório na Polygram, transitou depois para a BMG em 1990 e, em 1998, fundou a sua própria discográfica, que dirigiu até 2000, ano em assume a presidência da Universal Music Portugal.

O duplo CD agora editado reflecte a sua vertente de compositor e letrista, pois, como intérprete, segundo o próprio, nunca se sentiu bem, apesar de ter integrado vários grupos e participado mesmo em festivais.

A sua primeira participação num festival foi em 1972 com «Se quiseres ouvir cantar», 5.º lugar no Festival RTP. Voltou como intérprete em 1979, ao lado de Paulo de Carvalho, para gravar «Olá. Então como vais?», a primeira faixa desta edição discográfica.

Fonte:Diário Digital
Enviar um comentário