Agenda Frágil lança nova edição para 2010




Bebés prematuros regressam à agenda dos portugueses A edição da Agenda Frágil para 2010 é apresentada no dia 17 de Novembro, Dia Mundial da Prematuridade, às 19 horas, no bar Skones, em Lisboa. No cocktail de lançamento estão presentes os modelos, apresentadores, desportistas e músicos que abraçam esta causa, desde 2007, com a mesma certeza – “Frágil hoje, Forte no futuro”. Na ocasião estão também presentes as porta-vozes das entidades mentoras do projecto – Dra. Teresa Tomé, presidente da Secção de Neonatologia da Sociedade Portuguesa de Pediatria e Carla Rocha, presidente da Associação Portuguesa de Apoio ao Bebé Prematuro - XXS – os parceiros FNAC e Altis Belém & SPA, e as empresas que patrocinam a edição da agenda, a saber, Abbott Laboratórios , Pré-natal e Nestlé Nutrition. André Sardet, João Portugal, Lúcia Moniz, Diana Chaves, Sofia Carvalho, Sónia Brazão, Diana Pereira, Érika Oliveira, Pedro Couceiro, Telma Monteiro e Vanessa Fernandes são as figuras públicas que este ano abraçaram a causa, e Alexandre da Silva é, pelo terceiro ano consecutivo, o fotógrafo responsável pelo registo das imagens da agenda e um dos rostos associado ao projecto. A Agenda Frágil’10 é um projecto de divulgação e sensibilização da população para as causas e consequências da prematuridade, desenvolvido pela Secção de Neonatologia da Sociedade Portuguesa de Pediatria, que conta este ano com a participação da XXS – Associação Portuguesa de Apoio ao Bebé Prematuro. O projecto Frágil nasceu em 2007 pelas mãos da Secção de Neonatologia da Sociedade Portuguesa de Pediatria, com dois objectivos: divulgar e sensibilizar a população para as causas e consequências da prematuridade e angariar fundos para as entidades envolvidas, a Secção de Neonatologia e, este ano, também para a XXS - Associação Portuguesa de Apoio ao Bebé Prematuro. Em Portugal, seis em cada 100 bebés nascem com menos de 37 semanas de gestação, e um por cento dos recém-nascidos tem menos de 1.500 gramas. Os prematuros representam um terço da mortalidade infantil no nosso país. As crianças que nascem antes do tempo têm o sistema imunitário mais frágil e estão mais expostas a infecções e complicações que podem ser fatais.

Fonte:LPM Comunicações

6 comentários